sábado, 25 de novembro de 2017

Marinha do Brasil por intermédio do Comando do 1º Distrito Naval, realizou a Cerimônia de outorga da medalha “Amigos da Marinha”


Por: Redação OD

O Comando do 1º Distrito Naval (Com1ºDN) realizou, no dia 6 de novembro, a Cerimônia comemorativa ao “Dia Nacional do Amigo da Marinha”, na Fortaleza de São José. A solenidade, alusiva aos 38 anos da Sociedade Amigos da Marinha (SOAMAR), agraciou 110 representantes das sociedades civil e militar com a medalha “Amigo da Marinha”, personalidades que contribuíram para difundir a importância da Marinha do Brasil para o desenvolvimento do país, de se ampliar a consciência marítima e da Amazônia Azul.

Exército Brasileiro auxilia no resgate de naufrágio no Rio Negro


Por: Redação OD

Quando perguntarem por quê, o Exército Brasileiro se intitula “Braço Forte, Mão Amiga”, mostrem estas imagens ao quem lhe questionar. Pois muitos não entendem este slogan. Mas ele se torna fácil de entender-se, quando ocorrem situações como estas acontecem, onde vemos o Exército Brasileiro, apoiando e salvando as vítimas. No último dia 24/11, por volta das 08:55h (Hora Local), chegou um pedido de socorro ao Comando da 2ª Brigada de Infantaria de Selva (2ª Bda Inf Sl), onde era descrito o possível afundamento de uma embarcação no Rio Negro.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Brasil recebe de forma oficial convite da Organização das Nações Unidas para integrar a MINUSCA


Por: Redação OD

Após o termino das operações de paz no Haiti (MINUSTAH) onde o Brasil era o país que liderava a missão, muitas especulações foram feitas e levantadas, de onde seria a próxima missão no exterior brasileira. Sendo assim, na última quarta-feira (22) a Organização das Nações Unidas, acabou com o mistério oficializando um convite para que o Brasil integre a MINUSCA (Missão de paz na República Centro-Africana). No documento (veja o mesmo abaixo), o Secretariado da ONU solicita o envio de pelo menos 750 militares, onde a mesma solicita que o governo Brasileiro responda de forma oficial até 15 de dezembro do corrente ano.

Na busca pelo submarino ARA SAN JUAN, governo inglês envia aeronave A330MRTT com equipamentos para auxiliar nas buscas


Por: Anderson Gabino

Com a comoção mundial obtida, pela perda do submarino da Armada Argentina ARA San Juan, até as diferenças e cicatrizes ainda não curadas, desde o fim da Guerra da Malvinas (Falklands) foram postas de lado, na busca desenfreada pelo submarino. Assim sendo, a Real Força Aérea (RAF) enviou ontem à Argentina para ajudar nas buscas ao submersível uma aeronave repleta de equipamentos de busca. Esta é a primeira vez, desde o final da Guerra, que umaeronave militar Britânica, decolava de uma base no Reino Unido tendo como destino um aeroporto Argentino.

Imágenes y detalles para entender qué pudo haber pasado con el submarino desaparecido


Por: Redacción OD

El submarino ARA San Juan zarpó el lunes 13 de noviembre de Ushuaia con destino a Mar del Plata. El miércoles 15 se perdió todo contacto con la nave, luego de una comunicación registrada a las 7.30. Su última posición conocida fue a la altura del Golfo San Jorge, 240 millas náuticas (432 km) mar adentro.

Familiares de submarinistas recebem aos prantos notícia da explosão após confirmação da Armada Argentina

Bandeira argentina com um submarino é exibida em apoio à missão de busca pelo ARA San Juan em Mar del Plata   Foto: AFP PHOTO / EITAN ABRAMOVICH
Por: Redação OD

Os quase 100 parentes dos 44 tripulantes do submarino Argentino “ARA San Juanforam acometidos nesta quinta-feira (23) nas instalações da Base Naval de Mar del Plata da notícia que eles mais temiam, de que o ruído detectado no último dia 15 por aeronaves americanas era a de uma explosão. Imediatamente, a dor tomou conta do alojamento que abrigava as famílias dos militares e muitos disseram terem perdido a esperança.  Em Buenos Aires, o porta-voz da Marinha fechou a cara antes de fazer o anúncio. Na noite de quarta-feira, Enrique Balbi havia informado sobre uma “anomalia hidroacústica” detectada no local do desaparecimento do ARA San Juan, na semana passada. “No momento, não posso confirmar se houve ou não uma explosão. A Marinha está investigando.”

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Conheça todos os equipamentos em operação SUBSAR empregados nas buscas ao A.R.A. "San Juan"

Imagem via Ministério de Defensa de Argentina.
Por: Redação OD.


Um total até o momento de 15 aeronaves de diversas nacionalidades, entre elas um P-3 Orion e um CASA 295 ambos da Força Aérea Brasileira participam dos esforços da missão SUBSAR ao A.R.A. "San Juan" no Atlântico Sul.  Na parte naval, enfrentando péssimas condições atmosféricas há um total de 15 embarcações de grande porte de Marinhas de diversas nacionalidades e um grande número não confirmado de pesqueiros e rebocadores de alto mar. Para hoje se espera uma operação de varredura sonar por parte dos navios argentinos ARA “Austral” e  ARA “Puerto Deseado” e do Navio Polar “Almirante Maximiano” da Marinha do Brasil. Como está amplamente noticiado, as condições meteorológicas na região são péssimas e causam grandes restrições para as operações embarcadas.

Fonte: Ministério de Defensa da Argentina.

Possível localização de botes do A.R.A. "San Juan" por acft P-3B Orion da NASA aguarda confirmação

O P-3B Orion (N426NA) que está hoje em Ushuaia. Foto por Tim Baker via NASA.
Por: Redação OD.

De acordo com informações de radioamadores argentinos e de outras nacionalidades, que permanecem voluntariamente em radioescuta a partir do continênte  e em embarcações na região, se revezando nas frequências de emergência e serviços aéreo & marítimo 24X24 horas, uma aeronave P-3B Orion (N426NA) pertencente à NASA, que permaneceu toda esta segunda-feira em vôo na região do desaparecimento do subarino A.R.A. "San Juan", teria localizado pelo menos dois botes salva-vidas pertencentes ao submarino "San Juan". 

Submarino argentino desaparecido tem à bordo a única mulher submarinista da América do Sul

Eliana María Krawczyk embarcando no submarino A.R.A. "SanJuan" em maio de 2017. Foto por Gustavo Castaing/Arquiivo de O Clarín/Argentina.

Por: Redação OD.

Entre os 44 tripulantes do submarino A.R.A. "San Juan", está uma única mulher, Eliana María Krawczyk, de 35 anos. Segundo a Armada Argentina, ela é a primeira oficial de submarino do país e da América do Sul desde 2012 e é formada oficial da Armada Argentina desde 2009. 
Eliana María Krawczyk já é veterana de outro submarino, pois ela já cumpriu 4 anos de serviço no A.R.A. "Salta" e sua primeira embarcação em serviço foi à bordo da fragata A.R.A. "Libertad".

domingo, 19 de novembro de 2017

Como funciona uma missão de salvamento de um submarino

Na imagem, o Submarino ESPS TRAMONTANA S74, da Real Armada de Espanha, um dos vários que participaram do exercício Dynamic Monarch organizado pela NATO/OTAN em setembro de 2017 no Mar Mediterrâneo. NATO Photo by FRAN CPO Christian Valverde

Por: Redação OD Europa.
Introdução por Yam Wanders.

Atualmente, existem diferentes protocolos de resgate para submarinos, esses protocolos dependem de cada país ou conjunto de países, entre os diferentes protocolos de resgate de um submarino são os protocolos de resgate chinês, os protocolos de resgate russo, os protocolos de resgate japoneses, Protocolos RIMPAC (Rim of the Pacific-USA) e protocolos da OTAN. Esta grande variedade de protocolos é devido às tensões políticas que existem entre os diferentes países do mundo, por isso os protocolos não são unificados, pois, por exemplo, no caso de um submarino russo sofrer um acidente (como aconteceu, um exemplo claro é o acidente sofrido pelo Kursk em 2000), a Rússia não iria querer disse submarino foi resgatado por qualquer país que não seja o mesmo, desde o resgate que submarino que país poderia acessar sua tecnologia secreta, por isso existem diferentes protocolos salvamento e, portanto, eles não são unificados, cada protocolo é preparado de acordo com os recursos de cada país ou união de países. Neste caso, estudaremos os protocolos de ação da OTAN.

A estrutura de resgate à submarinos da Marinha do Brasil

Na foto, o Navio NSS K-11 "Felinto Perry" nosso especializado em salvamento de submarinos da nossa Marinha.
Por: Yam Wanders.

Nesse final de semana surgiram nas redes sociais os mais diversos questionamentos do por quê a Marinha do Brasil se envolver na operação de resgate do submarino da Armada Argentina, o ARA "San Juan" que está dado como "desaparecido" desde a quarta-feira dia 15 de novembro, conforme amplamente noticiado. O que acontece é que apesar do momento ser de um acontecimento lamentável enquanto não chegam mais informações, é que o Brasil deve ter mais um motivo para ter orgulho de sua Marinha, pois pertencemos à um selecto grupo de apenas 16 países que possuem uma estrutura mínima para efetuar a busca e salvamento de submarinos em emergência, bem como dar o adequado tratamento para as vítimas resgatadas.