terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Mais de 150 militares venezuelanos desertaram para a Colômbia em 48 horas

Dois soldados venezuelanos são detidos pela polícia colombiana em Cúcuta após atravessarem a fronteira em um carro blindado - 23/02/2019 (Schneyder Mendoza/AFP)

Por: Redação OD.


Um total de 156 militares deixou o Exército da Venezuela e pediu refúgio na Colômbia desde sábado 23, segundo as autoridades migratórias colombianas. A maior parte dos soldados e policiais ingressou pela fronteira oeste. Três deles usaram um blindado para romper barreiras que haviam sido instaladas em uma ponte para bloquear a entrada de ajuda. 

Outros três sargentos venezuelanos desertaram e cruzaram a fronteira para Pacaraima, em Roraima, informou nesta segunda-feira à AFP o coronel Georges Feres Kanaan, membro da Operação Acolhida, que recebe os migrantes venezolanos. Além dos sargentos, um policial municipal também chegou nesta segunda através das trilhas no mato até Pacaraima, com sua esposa e três filhos. Kanaan disse que os militares cruzaram por estradas alternativas e chegaram no domingo à noite vestidos em trajes civis.
Foram encontrados por militares brasileiros que o levaram para a cidade. Um deles estava em condições de desnutrição, informou outra fonte militar. A fronteira venezuelana continua fechada desde quinta-feira por decreto do presidente Nicolás Maduro. Desde então, seis sargentos já deixaram a Venezuela na direção do Brasil.

Segundo comunicado divulgado pela Migração Colombiana neste domingo 24, 146 militares fugiram da ditadura de Nicolás Maduro pela fronteira venezuelana com o Estado de Norte de Santander e outros 10 por Táchira.

Entre os que desertaram há membros da Guarda Nacional, da Armada, da Polícia Nacional Bolivariana e das Forças Especiais (FAES).
Segundo havia afirmado mais cedo no domingo a vice-presidente colombiana Marta Lucía Ramírez, só em um dia 120 oficiais, suboficiais e soldados das Forças Armadas venezuelanos desertaram na fronteira com a Colômbia.
Além dos militares que fugiram para o país, três sargentos da Guarda Nacional Bolivariana pediram asilo no Brasil durante o final de semana.
O  presidente da Venezuela e líder da oposição, Juan Guaidó, já prometeu conceder anistia a todos os militares que se alinharem ao seu governo e não tiverem cometido nenhum crime contra a humanidade.
Apesar do fechamento da fronteira, venezuelanos continuam a entrar e sair do Brasil e da Colômbia por rotas chamadas de trincheiras, onde não há policiamento das forças de nenhum dos países.
Desde sábado, centenas de pessoas ficaram feridas na Venezuela e nas fronteiras do país em meio a intensos confrontos entre as forças de segurança e manifestantes que pressionavam pela entrada da ajuda humanitária.

Neste domingo, o líder da Assembleia Nacional se reuniu com alguns dos desertores. Em um vídeo postado em sua página no Twitter, reconheceu a “valentia e espírito patriota” dos soldados. Juan Guaidó prometeu conceder anistia a todos os soldados que se alinharem ao seu governo



 Los venezolanos reconocemos la valentía y espíritu patriota de los más de 160 soldados y policías que el día de ayer se pusieron del lado de la Constitución.
Muchos más seguirán su ejemplo.
 ¡Juntos lograremos la libertad y el rescate de Venezuela!


Com informações da Reuters e AFP via redação Orbis Defense.

Nenhum comentário: