segunda-feira, 7 de maio de 2018

Defesa antiaérea Saudita intercepta dois mísseis disparados a partir do Iêmen por rebeldes houthis


Por: Redação OD

A defesa antiaérea  Saudita interceptou dois mísseis balísticos disparados em direção ao sul do país pelos rebeldes houthis a partir do território iemenita, anunciou nesta segunda-feira (7) a coalizão árabe liderada pelos sauditas, que atua no Iêmen. Os mísseis foram lançados a partir da província iemenita de Amrane, ao norte da capital Sanaa, afirmou o porta-voz da coalizão, o coronel saudita Turki al-Maliki, de acordo com a agência France Presse. Os alvos dos mísseis eram zonas habitadas, indicou o porta-voz. Para o coronel saudita, esta é uma "nova prova" do armamento fornecido pelo Irã aos rebeldes houthis, que desde novembro do ano passado intensificaram os disparos de mísseis contra o território saudita. A Arábia Saudita acusa o Irã de fornecer armas aos houthis. Teerã nega estas acusações.

Entenda o conflito


A tensão no Iêmen começou a se acirrar na Primavera Árabe, em 2011, quando os rebeldes xiitas houthis participaram de protestos contra o então presidente e se aproveitaram de um vácuo no poder para expandir seu controle territorial em algumas regiões do país. O grupo rebelde é respaldado pelo Irã, também xiita, e reivindica mais participação no poder. Após anos expandindo seu controle, em setembro de 2014 os houthis conquistaram a capital, Sanaa. No início de 2015, o presidente Abd Rabbo Mansur Hadi foi forçado a fugir para outra cidade do Iêmen e depois para a Arábia Saudita. Os houthis dissolveram o Parlamento e formaram um conselho presidencial para governar. Em março de 2015, a Arábia Saudita passou a liderar uma aliança árabe para conter o avanço dos houthis. A aliança tem o apoio dos Estados Unidos e faz bombardeios aéreos constantes às áreas dominadas pelos rebeldes. No entanto, até hoje não conseguiu recapturar Sanaa. Além dos houthis, apoiados pelo Irã, e do presidente Hadi, apoiado pela Arábia Saudita, a disputa de poder no Iêmen inclui tribos sunitas, a Al-Qaeda e até o Estado Islâmico.

*Com informações de agências de notícias internacinais

Nenhum comentário: