sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Novo conflito à vista: China movimenta seu exército na região de Doklam, região de disputa com a Índia


Por: Redação OD

Segundo publicações feitas pela mídia indiana, o Exército Popular de Libertação da China (PLA) está construindo novas instalações militares a cerca de 5 Km da fronteira entre a China e o Butão. Estas novas construções incluem depósitos para armas assim como nove edifícios de três andares, que podem ser utilizados como quartel general e dormitórios. Na região ainda encontram-se 300 veículos dos mais variados tipos. O PLA começou a aumentar suas forças militares na região de Doklam, onde há alguns meses ocorreu uma disputa de 10 semanas entre estes países. 


impasse na área de Doklam teve início em meados de junho do corrente ano, quando soldados chineses iniciaram os trabalhos de construção, já que a região é considerada pela China como parte da Região Autônoma do Tibete. A Índia, por sua vez, deslocou tropas para a área a fim de defender seu aliado Butão. Como resultado, as tropas dos Exércitos Chineses e Índianos ficaram a uma distância de apenas algumas centenas de metros. No início de outubro, surgiram novas notícias de que a China estaria novamente deslocando forças para a área de Doklam e, pela aparência das instalações lá montadas, parece que o PLA vai permanecer no lugar. 


A Índia retirou suas tropas de Doklam pois não tem pretensões em relação à região, tendo deslocado seus militares à província de Sikkim, que tem fronteira com a China e o Butão. Na última segunda-feira, o ministro das Relações Exteriores da Índia, Sushma Swaraj, teve um encontro com seu homólogo chinês Wang Yi, o qual afirmou que os dois países devem "aprender a lição" após o impasse, pois este perturbou as relações bilaterais. "O ministro das Relações Exteriores indiano e o chanceler chinês sublinharam o desafio, e que este o impasse representou uma “lição” para as relações entre os dois países, expressando satisfação por ter sido resolvido com a retirada das tropas por meio de comunicações diplomáticas", afirmou o porta-voz indiano, Raveesh Kumar.


Mas, se a lição foi aprendida, vem a pergunta: por que é que Pequim está outra vez concentrando tropas na área de Doklam? Esta não é a primeira disputa na fronteira entre a China e a Índia. Em 1962, um conflito em torno da região de Aksai Chin levou a confrontações entre os militares dos dois países, resultando na morte de milhares de pessoas em um mês.

Nenhum comentário: