sexta-feira, 28 de julho de 2017

Estados Unidos, Reino Unido e OTAN juntos no exercício naval Saxon Warrior 2017...enquanto a Coréia do Norte testa mais um Missíl


Por: Redação OD
Países membros da OTAN em conjunto com nações parceiras irão se unir aos grupos navais de ataque dos EUA e do Reino Unido durante 10 dias a partir de 1 de agosto para a realização de exercícios de combate, conforme nota do Comando Europeu dos Estados Unidos (EUROCOM) nesta sexta-feira dia 28. A 6ª Frota dos EUA, incluindo o porta-aviões H. W. George Bush, vão estar lado a lado com grupos navais de ataque do Reino Unido, da OTAN e de nações amigas para desenvolverem suas capacidades navais e da aviação de froma combinada, explicou o comunicado. "Os militares irão participar de cenários complexos no exercício, que abrangem todo o espectro de operações de um grupo de ataque com porta-aviões, incluindo ataques estratégicos, operações de defesa aérea, apoio aéreo de combate e garantia de zona de exclusão aérea", declarou o comunicado. 

O grupo do Reino Unido estão desenvolvendo a normas operacionais para que o seu novo porta-aviões HMS Queen Elizabeth (quando estiver incorporado a RN), bem como as formas de operação conjunta com grupos de ataque dos EUA possam estar a contento de todos, observou a nota. Cerca de 6 mil militares norte-americanos vão participar dos exercícios Saxon Warrior 2017 (Guerreiro Saxão), que contará ainda com a participação de militares da Alemanha, Noruega, Suécia e Reino Unido. Os últimos exercícios navais deste tipo foram realizados em 2011.
Coréia do Norte teria lançado novo missíl balístico aumentando a tensão na região
Segundo o Pentágono, a Coréia do Norte teria efetuado nesta sexta-feira (28) o lançamento de míssil balístico o qual fora detectado pelas forças americanas. O Japão afirma que o míssil teria caído em águas pertencentes a sua zona econômica exclusiva (ZEE). Não há relatos imediatos de danos, segundo a imprensa estrangeira. A Coreia do Sul também confirmou o lançamento. O porta-voz do Pentágono, o Capitão Jeff Davis, disse que o lançamento ocorreu por volta das 11h45 (no horário de Brasília).
Premiê japonês, Shinzo Abe, fala sobre novo lançamento de míssil norte-coreano nesta sexta-feira (28) (Foto: Kyodo/ Reuters)
O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, afirmou que o míssil possivelmente atigiu a zona econômica exclusiva do Japão (ZEE). Abe ainda declarou se haverá ou não uma reunião do Conselho de Segurança Nacional e que se o Japão, tomaria as medidas necessárias para garantir a segurança de seus cidadãos. O secretário-chefe do Gabinete, Yoshihide Suga, disse que o míssil voou por cerca de 45 minutos. Ele acrescentou que o lançamento do míssil era inaceitável e em clara violação das resoluções da Organização das Nações Unidas, segundo a Reuters.

A rede de TV CNN, citando uma fonte, afirma que os EUA acreditam que a Coreia do Norte poderá lançar um míssil balístico intercontinental (ICBM) com capacidade nuclear no início de 2018. Este novo lançamento acontece semanas depois de Pyongyang ter testado com sucesso seu primeiro míssil balístico intercontinental. A emissora estatal "KCTV" informou que o míssil novo, Lançado em 4 de julho, e batizado como Hwasong-14, alcançou uma altura máxima de 2.802 km e percorreu 933 km em 39 minutos e caindo no Mar do Japão.

Nenhum comentário: